quinta-feira, 2 de março de 2017

Reunião produtiva


Polícias e poder público vão atuar integrados para intensificar combate ao tráfico em Sarandi A segurança pública de Sarandi foi tema de uma reunião no início desta tarde (01/3), a prefeitura e mobilizou integrantes da administração municipal, Delegacia de Polícia, Polícia Militar, Guarda Municipal e Câmara de Vereadores. O objetivo é realizar um trabalho integrado entre as polícias e poder público para combater à criminalidade motivada pelo tráfico de drogas. A iniciativa do encontro foi do gabinete do prefeito Walter Volpato, diante dos oito homicídios registrados no município nesses dois meses e a urgência de combate ao tráfico. Foi unânime entre os presentes, a reclamação da necessidade de melhoria das condições das polícias civil e militar para ações ostensivas e preventivas de enfrentamento ao tráfico. Volpato destacou que o governo do estado precisa olhar mais por Sarandi, que não é mais uma pequena cidade. “Temos aqui 100 mil habitantes e apenas um delegado. Estamos aqui reunidos para discutir o melhor caminho e dar uma reposta à população que clama por segurança”. Segundo o delegado, Adão Wagner Loureiro Rodrigues, nove em cada homicídios registrados em Sarandi são motivados pelo tráfico de drogas. Ele assumiu o cargo há aproximadamente 20 dias e tem pelo menos 1,2 mil processos em andamento na delegacia, sendo 90% por crime ligado ao tráfico. A equipe da delegacia de Sarandi que já era deficitária ficou menor ainda, com a transferência, recente, de dois escrivães e um investigador de polícia. Segundo ele, o índice de assaltos não é alto na cidade, mas o tráfico de drogas domina os registros policiais, com mortes. “Precisamos que a população denuncie através do 181 os pontos de venda de drogas. É um serviço importante, sigiloso e que vai ajudar e muito a polícia”, insistiu Adão Wagner. As denúncias são de grande ajuda para a eficiência das Ações Integradas Fiscalização Urbana (Aifu), que também serão realizadas com mais frequência a partir deste mês. Em 2016, 21 pessoas vítimas de homicídio em Sarandi. Segundo capitão-PM Gilson Dias, em 2011 e 2012, esse número chegou a 55/ano. Ele atribui o aumento nesse início de ano, também, ao fator socioeconômico. “O quer está ocorrendo em Sarandi não é um caso isolado. A crise econômica e o desemprego aumentam a violência e a criminalidade”. Além da ajuda da população, por meio de denúncias e mais operações Aifo, foi sugerida a realização de campanhas na mídia sobre segurança. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DE SARANDI

Nenhum comentário:

Postar um comentário